Notícias

Nota oficial do Ministério da Agricultura sobre Peste Suína Clássica no Ceará

15/10/21

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirma um foco de Peste Suína Clássica (PSC) no Ceará, estado localizado fora da zona reconhecida como livre de PSC pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). O diagnóstico foi confirmado pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Pedro Leopoldo, Minas Gerais, por meio de técnicas moleculares (RT-PCR em Tempo Real), e notificado imediatamente à OIE pelo Mapa.

O caso ocorreu no município de Marco, em criatório de suínos para subsistência. A propriedade foi interditada pelo serviço veterinário estadual, representado pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri), desde o primeiro atendimento. Conforme as estratégias para erradicação de focos de PSC adotadas no país, será realizada a eutanásia dos suínos envolvidos e a limpeza e desinfecção na propriedade, além de investigações para rastreamento de provável origem e vínculos epidemiológicos.

A ocorrência não compromete a manutenção das zonas livres de Peste Suína Clássica reconhecidas no país e não implica em restrições ao comércio internacional de suínos e seus produtos. Além disso, a doença não é transmitida para seres humanos, não representando impacto na saúde pública.

O estado do Ceará, juntamente com outros 10 estados (AL, AM, RR, PA, AP, MA, RN, PB, PE e PI), está localizado fora da zona livre de PSC reconhecida pela OIE e a última ocorrência da doença no estado havia sido encerrada em outubro de 2019. Os limites entre as zonas livre e não livre de PSC são protegidos por barreiras naturais e postos de fiscalização, onde procedimentos de vigilância e mitigação de risco para evitar a introdução da doença são adotados continuamente.

A Peste Suína Clássica (PSC), também conhecida como febre suína ou cólera dos porcos, é uma doença viral, altamente contagiosa, que afeta somente suínos e javalis. A zona livre de PSC do Brasil concentra mais de 95% de toda a indústria suinícola brasileira. Toda a exportação brasileira de suínos e seus produtos são oriundas da zona livre e não registra ocorrência da doença de PSC desde janeiro de 1998.

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) confirma um foco de Peste Suína Clássica (PSC) no Ceará, estado localizado fora da zona reconhecida como livre de PSC pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). O diagnóstico foi confirmado pelo Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Pedro Leopoldo, Minas Gerais, por meio de técnicas moleculares (RT-PCR em Tempo Real), e notificado imediatamente à OIE pelo Mapa.

O caso ocorreu no município de Marco, em criatório de suínos para subsistência. A propriedade foi interditada pelo serviço veterinário estadual, representado pela Agência de Defesa Agropecuária do Estado do Ceará (Adagri), desde o primeiro atendimento. Conforme as estratégias para erradicação de focos de PSC adotadas no país, será realizada a eutanásia dos suínos envolvidos e a limpeza e desinfecção na propriedade, além de investigações para rastreamento de provável origem e vínculos epidemiológicos.

A ocorrência não compromete a manutenção das zonas livres de Peste Suína Clássica reconhecidas no país e não implica em restrições ao comércio internacional de suínos e seus produtos. Além disso, a doença não é transmitida para seres humanos, não representando impacto na saúde pública.

O estado do Ceará, juntamente com outros 10 estados (AL, AM, RR, PA, AP, MA, RN, PB, PE e PI), está localizado fora da zona livre de PSC reconhecida pela OIE e a última ocorrência da doença no estado havia sido encerrada em outubro de 2019. Os limites entre as zonas livre e não livre de PSC são protegidos por barreiras naturais e postos de fiscalização, onde procedimentos de vigilância e mitigação de risco para evitar a introdução da doença são adotados continuamente.

A Peste Suína Clássica (PSC), também conhecida como febre suína ou cólera dos porcos, é uma doença viral, altamente contagiosa, que afeta somente suínos e javalis. A zona livre de PSC do Brasil concentra mais de 95% de toda a indústria suinícola brasileira. Toda a exportação brasileira de suínos e seus produtos são oriundas da zona livre e não registra ocorrência da doença de PSC desde janeiro de 1998.

Imagem: Localização do foco, onde se destacam os limites das zonas livre e não livre de PSC no Brasil

Fonte: MAPA


Voltar para notícias

    Entidades constituintes

    • Sips
    • Asgav
    • Sipargs
    • Sindilat
    • Farsul
    • Fetag
    • Acsurs