Notícias

BRF vê oportunidades com retirada da vacina no RS

Reportagem publicada no Jornal do Comércio de 28/04

28/04/21

Um dos principais polos produtores e industriais da BRF, o Rio Grande do Sul ganhará ainda mais relevância dentro da companhia a partir de maio. É quando o Estado receberá o reconhecimento da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) zona livre de febre aftosa sem vacinação. Assim como o Paraná, o RS se unirá a Santa Catarina em um novo status sanitário internacional, o que leva a empresa a prever a ampliação de mercados para todas as proteínas animais do Sul. As unidades da BRF no Sul, além de abastecer o mercado interno, alimentam consumidores de uma centena de países, de quatro continentes.

De municípios como Lajeado (RS), Concórdia (SC) e Toledo (PR) já são embarcadas mais de duas dezenas de tipos de produto, incluindo diferentes cortes de carne e embutidos, rumo a nações de culturas e regiões diversas, tendo o Japão, a 17.360 quilômetros, como o ponto mais distante. O roteiro de embarques a partir do Sul apresenta uma diversidade de destinos, como Angola (África), Omã e Emirados Árabes (Península Arábica) e México (América do Norte). A BRF é uma das maiores empresas do mundo e está presente em mais de 130 países, reunindo 95 mil colaboradores, mais de 300 mil clientes e aproximadamente 10 mil integrados no Brasil.

A companhia também é a maior produtora de frango do país, com cerca de 12% do comércio global, e responsável por 22% da produção brasileira de suínos. E, de acordo com a empresa, o avanço no status torna a região Sul mais imune a riscos como ocorridos em outras épocas em que embargos à carne bovina também suspenderam exportações de outras proteínas como suínos e aves. Santa Catarina já tinha certificação internacional como zona livre da aftosa sem vacina, e recentemente o Rio Grande do Sul e o Paraná receberam parecer favorável, que será avaliado durante a 88ª Sessão Geral da Assembleia Mundial dos Delegados da OIE, de 22 a 28 de maio, mas já conta com a aprovação da avaliação técnica da OIE.

O diretor geral de Agropecuária, Fábio Stumpf, considera a elevação do status sanitário um marco para a região. “Coloca os Estados do Sul num patamar mais alto. Vai abrir mercado, aumentar o leque de proteínas, ajudar a todos os segmentos, incluindo suínos e frango, ao movimentar as cadeias de proteína animal”, destaca, lembrando que um dos grandes diferenciais do Brasil no agronegócio é o cuidado sanitário, graças ao conhecimento acumulado e ao potencial tecnológico.


Voltar para notícias

    Entidades constituintes

    • Sips
    • Asgav
    • Sipargs
    • Sindilat
    • Farsul
    • Fetag
    • Acsurs